Por que reciclar os seus conhecimentos é ainda mais urgente

Uma dica: tem a ver com o fato de 83% dos líderes de negócios terem dificuldade para recrutar candidatos para vagas abertas em suas áreas

Este artigo foi escrito por Kelly Palmer e cedido à StartSe pela Degreed. Ela é líder da área de aprendizado da Degreed, edtech fundada em 2012, em São Francisco (EUA), por David Blake, David Wiley, e Eric Sharp.

As empresas têm sido cada vez mais incisivas nas críticas sobre a diferença entre o conjunto de habilidades que uma organização precisa e as que sua força de trabalho dispõe. Dados de estudos recentes mostram que essa diferença está aumentando –  - e que é necessária uma ação rápida e eficiente para reduzir essa lacuna de know-how.

O Fórum de Ação Americano (AAF) publicou um relatório prevendo que a escassez de trabalhadores com ensino superior levará a quase US$ 1,2 trilhão em perda econômica. Os dados "indicam que os níveis atuais de escolaridade são insuficientes, e os formuladores de políticas podem resolver esses déficits incentivando níveis mais altos de educação e desenvolvimento de habilidades", diz o relatório.

David Blake, con-fundador da Degreed, e eu argumentamos em nosso livro The Expertise Economy, lançado há um ano, que a solução para aprimorar e capacitar a força de trabalho para este novo tempo não virá das escolas. Hoje, mais do que nunca, cabe às empresas garantir que seus funcionários criem a cultura de aprendizado contínuo, na qual os funcionários estejam sempre engajados no desenvolvimento de novas habilidades.

Os incentivos para as empresas liderarem o caminho são claros. Um estudo realizado no início deste ano pela Society for Human Resources Management constatou que 83% dos líderes empresariais estão tendo problemas para recrutar candidatos adequados. Três quartos (75%) desses líderes dizem que "há uma escassez de habilidades nos candidatos a vagas de emprego".

As habilidades ausentes não são apenas técnicas. Na maioria das vezes, elas são o que se convencionou chamar de "habilidades leves", ou “soft skills", que se opõem às competências técnicas. As "soft skills" mais requeridas são aquelas associadas à resolução de problemas, pensamento crítico, inovação e criatividade.

Dos RH entrevistados para o estudo da Society for Human Resources Management, 37% disseram que deixaram de contratar profissionais por eles não possuírem as competências leves requeridas pela vaga. Outros 32% dos RHs disseram que os candidatos não tinham "capacidade de lidar com complexidade e ambiguidade", habilidade que compõe o "skill set" das competências leve.

Investimentos não tão grandes quanto parecem

Diante do desafio de capacitar a força de trabalho, empresas de todos os tamanhos, incluindo algumas das maiores corporações, anunciaram planos de aprimorar e capacitar novamente sua força de trabalho.

Entre as mais recentes está a Accenture, que gasta US $ 1 bilhão por ano em treinamento. Apesar do investimento, o Wall Street Journal relata que esse é tecnicamente um declínio per capita, desde 2003. Quando a empresa era menor, gastava mais que o dobro em treinamento para cada funcionário.

A Accenture diz que seus programas de desenvolvimento se tornaram mais eficazes e eficientes, mas eles também percebem o que é necessário para enfrentar seu desafio: "Você não pode pegar 200.000 funcionários e enviá-los para uma sala de aula por uma semana e acha que resolveu o problema", diz Omar Abbosh, ex-diretor de estratégia da Accenture, que agora lidera a área de comunicação, mídia e tecnologia. "É uma atividade (de treinamento) sem fim".

A Amazon também divulgou recentemente seu plano de treinar 100.000 pessoas, um terço de sua força de trabalho nos EUA, a um custo de US$ 700 milhões em cerca de seis anos. Mais uma vez, o anúncio trouxe grandes novidades. Mas isso resulta em menos de US $ 1,20 por funcionário a cada ano - abaixo da média de US $ 1,29 gastos por funcionário em 2017.

E essa média pode não ser alta o suficiente. O Fórum Econômico Mundial prevê que 1,4 milhão de trabalhadores americanos sejam substituídos por tecnologias emergentes dentro de uma década. O custo de reciclá-los para que eles possam obter novos empregos viáveis com salários mais altos é de US $ 24,80 por trabalhador. Serão necessários uma combinação de esforços de empresas e governo para tornar isso possível, afirma o fórum.

 

Disponível em: https://www.startse.com/noticia/nova-economia/70449/life-long-learning-startse  Acesso em 05 Nov 2019 

Veja Também

Será que as empresas estão prontas para a desglobalização?

Ao entrarmos em uma nova década, caracterizada pelo aumento de complexidade econômica e das divisões g...

Quando confiar na sua intuição em decisões importantes

Alguns executivos se orgulham de ter uma intuição forte, aguçada ao longo de anos de experiência, que ...

Ajudar sua equipe a obter sentido de propósito no trabalho

Ninguém quer ser um robô o dia inteiro no trabalho. As pessoas desejam se sentir inspiradas, encontrar...

Peça o seu Orçamento

Nossa equipe esta esperando pelo seu contato......

Clique Aqui