A bondade é imprescindível na liderança

Em nossa recente comemoração de feriado, nosso CEO, David Wan, compartilhou a história de um professor que fez uma tremenda diferença em sua vida.

Por: Mary Anne Amato

Muitos de nós ouvindo também já havíamos tido um professor estelar que fez de tudo para fazer a diferença em nossas vidas. Mas esta história foi um pouco diferente: foi contada através da lente da bondade. No final de seus comentários, David nos desafiou – pessoas que trabalham projetando e desenvolvendo líderes – para ajudar a construir líderes mais gentis, porque o mundo realmente precisa deles agora.

Eu tenho pensado nesse desafio desde que o ouvi. O que significa ser um líder gentil? A bondade é literalmente definida como a “qualidade de ser amigável, generoso e atencioso”. Não costumamos ler sobre gentileza na liderança. Nós lemos sobre como líderes precisam ser ágeis, autênticos, emocionalmente inteligentes, mentalmente duros, corajosos … e muitos outros adjetivos que não soam muito como “gentis”.

Convenhamos: a bondade pode soar, bem, um pouco “mole”, certo? Na liderança, pode ter quase uma conotação negativa – algo parecido com fraqueza ou ingenuidade. Uma qualidade que é usada para descrever alguém que é bom, mas menos do que eficaz. Mas tem que ser assim?

Vamos pegar essas qualidades – amigáveis, generosas e atenciosas – e aplicá-las a um princípio fundamental da liderança: coaching. Todos nós sabemos que os líderes desempenham um papel de coaching e quão efetivos eles são nesse papel importam muito no desempenho de seu pessoal. Mas como você pode treinar com gentileza?

Ser amigável soa fácil o suficiente para incorporar – nunca é demais compartilhar um sorriso e um pouco de calor.

Ser atencioso, no entanto, pode nos forçar a pensar um pouco diferente sobre como treinamos. Por exemplo, estamos levando em consideração os objetivos e aspirações daqueles que estamos treinando? E, estamos incorporando como o nosso feedback pode soar para essa pessoa (ou seja, dada a sua fase de carreira, seus níveis de confiança, etc.) ou estamos nos concentrando exclusivamente na tarefa em mãos? Consideramos usar diferentes abordagens para pessoas diferentes? O Handbook do Líder de Revisão de Negócios da Harvard define “construir uma visão unificadora” como uma das seis principais práticas de liderança, e parece-me que seria ideal ter essa prática para treinar indivíduos para alcançar essa visão

Finalmente, e quanto à generosidade? A generosidade pode soar intimidante e fora do âmbito da liderança. Mas o coaching é generoso por essência – você está ativamente dedicando seu tempo, experiência e insights para outro. Agora, vamos levar isso a outro nível e pensar na necessidade de um líder de envolver pessoas importantes em projetos e inovar novas ideias. Aqui, poderíamos olhar para a generosidade como tendo tempo para pensar em oportunidades que poderiam realmente fortalecer aqueles que estão sendo treinados. Sim, é muito mais fácil treiná-lo no imediato e, muitas vezes, isso é necessário, mas construir avaliações de longo prazo das oportunidades disponíveis na empresa que poderiam tirar proveito dos desejos e pontos fortes de um funcionário pode ser extremamente útil para os treinados. e para a saúde do negócio.

Se analisarmos a experiência do aluno na história de David, David realmente não percebeu a bondade quando era criança. Esse rótulo era fruto de sua visão adulta. Na época, ele viu as ações de seu professor como oportunidade, motivação e construção de confiança. Seu professor pegou seus talentos naturais e ajudou-o a alcançar o seu melhor, dando-lhe opções para participar na escola, que alavancou seus pontos fortes. Como resultado, David se sentiu mais capaz e levou essa capacitação com ele por toda a vida. A gentileza de que estamos falando estava na escolha desse professor de ser generoso com as oportunidades de desenvolvimento e fazê-lo de uma maneira que considerasse David como um indivíduo. Isso certamente soa como uma boa liderança!

O que você acha? A gentileza deveria ser um fator essencial na forma como lideramos?

Mary Anne Amato é diretor de vendas globais em Harvard Business Publishing Corporate Learning

Disponível em: https://hbrbr.uol.com.br/dicas/a-bondade-e-imprescindivel-na-lideranca/ Acesso em: 14 Jan 2019

Veja Também

Não deixe as notificações push arruinarem sua produtividade

Desde que nossos ancestrais pré-históricos usaram ferramentas de pedra para fazer fogo e caçar animais...

5 razões para sua empresa investir no desenvolvimento de pessoas

Saiba por que sua companhia precisa de um planejamento estratégico de T&D

Como fazer os colaboradores prestarem atenção em treinamentos corporativos

De acordo com a Association for Talent Development, as empresas americanas gastam mais de US$ 160 bilh...

Peça o seu Orçamento

Nossa equipe esta esperando pelo seu contato......

Clique Aqui